Menu fechado

Notícias

Conselho de Educação vai liderar Movimento pela Educação e Trabalho das Juventudes do Rio

Os membros do Conselho Empresarial de Educação realizaram reunião, dia 14 de novembro, para debater a criação do Movimento pela Educação e Trabalho das Juventudes do Rio, ação proposta pelo Conselho ao presidente da ACRJ, Josier Vilar. O objetivo, segundo a presidente Maíra Pimentel, e a vice Beatriz Alqueres, é efetivamente desenvolver ações que integrem diversos atores ligados à educação de jovens gerando oportunidades para o trabalho e a geração de emprego para esta população. De acordo com ela, o jovem é a prioridade, mas o movimento estará aberto a outros grupos sociais que possam ser agregados à proposta.

O primeiro passo será a criação de uma lista de possibilidades de apoio ao Movimento, indicada pelos conselheiros. A partir dela, será feita uma curadoria com visão de atuação em curto ou médio prazo, além de fazer links com possíveis parceiros apoiadores ou implementadores. Com base nas experiências e projetos já realizados pelos conselheiros, a ideia também é coordenar uma ação integrada utilizando ferramentas já disponíveis.

A conselheira Heloísa Mesquita lançou a proposta de um fluxo de como o trabalho poderia ser iniciado, que inclui três sugestões de projeto de cada conselheiro, que sejam do interesse dos associados da ACRJ para curadoria e, finalmente, a possibilidade de realização road show dos projetos escolhidos. “Temos diversos conselheiros que já atuam com projetos para a Juventude aqui em nosso Conselho, e devemos usar esta expertise para desenvolver nossas ações”, disse.

Um exemplo disso foi a proposta da conselheira Andreia Niskier, do CIEE. Ela ofereceu a plataforma que o Centro utiliza para cadastrar os jovens, que eventualmente ainda não estejam em seus bancos de dados, e fazer um link com as empresas associadas da ACRJ para que possam oferecer vagas para esses jovens. Também se manifestaram favoravelmente com ideias, as conselheiras Renata Guimarães, da Júnior Achievement, Camila Crispim, da Fundação Darcy Vargas, e a especialista em Educação, Andréa Ramal, entre outros membros presentes na reunião.
A conselheira Wanda Engel comentou que esta ação poderia ser multisetorial, que, de acordo com ela seria mais complexa e demorada. E propôs um trabalho mais pontual e local desenvolvida a partir de uma agenda comum, identificando parceiros e engajando “atores de diferentes papeis para atuarem de forma coordenada, mas dentro do seu foco de atuação”, disse.

Já o conselheiro Vanderson Berbat acrescentou que é importante definir uma agenda concreta e ser mais objetivo nas propostas. “O ideal é usar a rede que a ACRJ tem entre seus associados para identificar oportunidades de emprego que possam chegar até os jovens”, destacou.

O próximo passo será organizar os grupos e frentes de trabalho para que o Conselho possa iniciar o trabalho do Movimento. Ela sugeriu que na próxima reunião do Conselho, em dezembro, já sejam apresentadas sugestões concretas para o início desta ação. Maíra adiantou que outros Conselhos da ACRJ também serão convidados a participar, citando, entre eles, o de Jovens e o de Comunidades, Novos Negócios e Economia Solidária. “A ideia é que possamos fortalecer o Rio através da ACRJ e, consequentemente, possamos crescer juntos”, destacou.